A saúde em Santos vai de mal a pior, sem perspectiva de melhora a curto prazo. Infelizmente, a situação na maior cidade da Baixada Santista é tão crítica, que fica difícil para o Ó Minha Santos ignorá-la.

Desta vez, é o Ministério Público Estadual que cobra explicações da Prefeitura de Santos sobre um problema injustificável. O promotor da Infância e Juventude, Carlos Alberto Carmello Junior, quer saber o motivo da falta de pediatras nos prontos-socorros da cidade.

Lembrando, mais uma vez ao leitor, que a Administração Paulo Alexandre Barbosa prioriza construções de unidades de saúde em vez de reforçar as equipes médicas nas já existentes, principalmente nos prontos-socorros.

Para o Governo Paulo Alexandre, a saúde de sua população desde a tenra idade até a velhice não é prioridade, nem nos prontos-socorros, nem nas policlínicas.

Por que faltam médicos pediatras ou outros especialistas no quadro da rede pública de Santos?

A baixa remuneração oferecida nos concursos públicos abertos nas últimas gestões municipais resulta no desinteresse de candidatos às vagas. E, muitas vezes, os profissionais que foram aprovados recusam a oferta quando são convocados, pois, passado muito tempo da realização do concurso, ou o candidato já conseguiu uma colocação com uma remuneração melhor ou simplesmente recusa-se a entrar na roubada que é atender na rede de urgência e emergência de saúde de Santos, onde faltam até insumos para o atendimento mais básico como um gesso para imobilização de membros fraturados, por exemplo.  

*Caso não consiga visualizar os comentários, verifique se não existe nenhum impedimento de acesso aos recursos do Facebook.